30 de out de 2009

O ELO DO EDUCADOR

APRENDIZAGEM E SUAS ESFERAS EDUCACIONAIS: UMA VISÃO HOLÍSTICA E UNIVERSAL DA NECESSIDADE DA MUDANÇA

Por: Vanderli Cássia Spredemann

Pergunte a um professor qual o principal problema da educação hoje? Com certeza as respostas mais comuns serão: desvalorização do profissional, baixo salário, falta de reconhecimento, e a indisciplina dos alunos... Há a indisciplina dos alunos.
Essas respostas são famosíssimas. Todo profissional da educação sofre as conseqüências da geração do estresse, da depressão, do fanatismo da necessidade do ter.
De acordo com Wilkinson (1998, p. 13) “o professor é o elo vivo entre o conteúdo e a classe, e a forma como ele realiza essa tarefa constitui o cerne do ensino”. Trata-se da mais pura realidade.
O professor, educador ou facilitador como é chamado hoje, é o elemento de junção entre o conhecimento e o aluno. Somos espelhos de geração em geração, formadores de agentes construtores de sua própria história. E ai, qual história você está construindo?
O que se vê são profissionais que só sabem se queixar, tudo é péssimo, tudo é difícil, nada adianta, e sempre os culpados são o sistema, os políticos, os alunos, menos os professores.
Para compreender melhor o que quero dizer vou relatar uma colocação de Bryne (2007, p. 163), “as coisas que você deseja não lhe são dadas por pessoas”. Nosso fracasso e/ou sucesso depende unicamente de uma pessoa. Adivinha quem é?
Claro, meu fracasso ou sucesso depende unicamente de mim. Sou eu que traço meu caminho, o que quero, aonde desejo chegar.
O ensinar e apreender é um processo histórico, desde do inicio da humanidade, o que se tem mudado e evoluído muito, é a maneira, ou seja, as formas como se dá esse processo.
Ensinar e apreender, hoje, é muito mais que ministrar conteúdos, transmitir conhecimentos, dar aulas. Envolve afetividade, motivação, formação e construção.
Para Wilkinson (1998, p. 20) “o divórcio entre ensino e aprendizagem é trágico, e é a raiz de muitos de nossos males educacionais”.
Nesse sentido, posso afirmar que vivenciamos o ensino-aprendizagem em todos os lugares, e com tudo isso, basta apenas canalizar e peneirar o conhecimento aproveitando o que é bom e deletando o que ruim.
O que chama a atenção, nos dias atuais, é a desmotivação dos profissionais da educação. Eles não pensam mais como seres humanos e não se preocupam uns com os outros, com o meio. São alheios aos acontecimentos e dizem que esse problema não é meu. Já fiz muito isso. A desmotivação é uma doença que causa o descompromisso. Para você ver ninguém é imune até que queira ser.
Hoje, os profissionais em educação medem seu potencial com o número de alunos que reprovou em sua disciplina.
Já tive sérios problemas com os professores de meus filhos, quando questionei o porquê de baixas notas... É foi taxada, quase apanhei, pois leciono na mesma rede que eles, e como poderia questioná-los, o que ouvi foi: “vem ensinar agente da aula”, “você se acha”, “seu filho não se interessa por nada, ele é descompromissado”, “ele não quer nada com nada”.
Engraçado, foi um acontecimento que marcou minha carreira como formadora e facilitadora do ensino-aprendizagem. Comecei a observar e avaliar o ensino como um olhar holístico e universal.
Aconteceram muitas mudanças históricas no ensino, todas visando melhorar a qualidade de ensino, principalmente em nosso país, mas nenhuma para mudar a mentalidade dos profissionais em educação.
Wilkinson (1998, p. 25), em sua obra As 7 Leis do Aprendizado, deixa claro que “é óbvio que os alunos precisam se responsabilizar por aprender a matéria – mas o professor é responsável por induzi-lo a sabê-la”.
Claro que sei, quais são minhas responsabilidade como mãe. Jamais deixei de exercer essa função. Por isso, me preocupo com a formação educacional dos meus filhos.
A relação entre a família x comunidade escolar é fundamental para a formação educacional de cada individuo. Já que essa relação estabelece um elo de responsabilidades.
Seguindo essa linha de pensamento sobre a responsabilidade, para Wilkinon (1998, p. 26-27), reflete sobre a colocação da ex-ministra da educação dos Estados Unidos, Shirley M. Hufstedler, que afirmava:
“O segredo do nosso sucesso como professor é... aceitar a responsabilidade pelo sucesso ou fracasso de cada aluno, e isso de forma bem pessoal. Os professores que assumem a responsabilidade pelo sucesso ou fracasso de cada um de seus alunos... tem alunos com maio índice de aproveitamento”[1].
Dessa forma, nota-se que essa responsabilidade reflete na questão se torna polêmica pelo fato de que numa sociedade grafocêntrica como a nossa, saber ler e escrever fluentemente se torna uma questão de cidadania. Para piorar a situação, a qualidade da educação brasileira é altamente questionada quando se tem em vista os índices de fracasso escolar nas séries do Ensino Fundamental. Os índices de repetência e a baixa qualidade do ensino da leitura e da escrita colocam em maior evidência os debates acerca da alfabetização e letramento.
Sobre esse prisma, para Wilkinson (1998, p. 30):
“bons professores cultivam uma grande habilidade para compreender o processo de ensino-aprendizagem, de modo que imediatamente detectam o problema que está atrapalhando a aprendizagem, e aí implementam a solução correspondente”.


Cury (2003, p. 79), acrescenta ainda que “os mestres fascinantes podem ser desprezados e ameaçados, mas sua força é imbatível”. Diante dessa, reflexão é importante fazer a diferença.
Cury (2007, p. 49), acrescenta que “você pode adiar muitas coisas na sua vida, mas não a decisão de ser autor de sua própria história. É sua responsabilidade escrever seus textos”.
Cury (2003, p. 80), coloca em outra obra que deve-se ensinar os alunos “a conquistar experiências originais, através da observação de pequenas mudanças e da correção de grandes rotas”.
Então, nota-se que a educação hoje, deve estar voltada para a educação da emoção de forma motivacional e com ênfase aos valores, se não, segundo Cury (2003, p.81), “as sociedades modernas se tornarão um grande hospital psiquiátrico”.
A educação envolve todo um processo de ensinar e aprender. A criança desde do seu nascimento está formando seus saberes, é com os pais que ela aprende seus primeiros passos.
Para Poli (2006, p. 16), “pais capacitados a educar os filhos sabem dar responsabilidades a eles, sabem até onde podem exigir deles..., e tem autoridade para impor a disciplina necessária”.
Faço dessas palavras as minhas para os profissionais da educação. Quantas vezes ouvimos, eu não estou aqui para educar os filhos de você! Eu mesma. Meu Deus, quantas vezes falei isso. Claro, que devemos educá-los, afinal, somos os chamados educadores. Facilitar a construção do conhecimento é uma forma de educar sim.
Cury (2007, p. 48), “os educadores são os profissionais mais importantes da sociedade, apesar de não os valorizar”.
A desvalorização é fato, mas não podemos deixar que isso nos abale. Afinal, somos o alicerce da sociedade. Cury coloca ainda (2007, p. 48), que “milhões de pessoas nunca aprenderam que podem e devem gerenciar seus pensamentos e emoções”. Qualidade de vida é a solução.
Como posso ter qualidade de vida com o salário que ganho? Sei que vocês devem estar se perguntando isso agora.
Bem, acredito que, antes de tudo deve-se gostar do que faz. Se não será um desastre social e profissional. Sem amor não se edifica uma relação, isso é fato, afetividade é fundamental para o ensino-aprendizagem.
Encontrar um equilíbrio diante do caos educacional parece uma missão impossível. Para Cury (2003, p. 86), “ a beleza está nos olhos de quem vê”. Viu... Nada é impossível diante do seu ponto de vista.
Cury acrescenta (2003, p. 97), “por trás de cada aluno arredio, de cada jovem agressivo, há uma criança que precisa de afeto”.
Assim, a mudança é uma palavra que muitas vezes assusta, todo mundo tem medo do novo. Mas, ele precisa ser construído. Cury (2003, p. 101), coloca sabiamente que “não importa o tamanho dos nossos obstáculos, mas o tamanho da motivação que temos para superá-los”.
Depois de cada dia de trabalho ou como mãe, faço uma reflexão, um feedback. O que eu fiz de novo hoje? Que história construí hoje? Que imagem refleti hoje em minha casa e na sala de aula? Foi positiva ou negativa? O que posso mudar para amanhã? Esse é o primeiro passo para reflexão, uma autoavaliação e automoticação.
Cury (2003, p. 102) coloca que “Sem sonhos não há fôlego emocional. Sem esperança não há coragem para viver”. Sonhar é necessário, acreditar no sonho é essencial.
Claro que nota-se que a defasagem da qualidade do ensino não está no ensino de oito anos ou de nove e sim nas condições de trabalho digna, na má remuneração dos profissionais, no faz de conta que se ensina e que se aprende, onde os profissionais são favorecidos por favores políticos e não estão realmente preocupados com a educação, na falta de fiscalização nas instituições de ensino, na falta de material de uso contínuo nas escolas, e principalmente na ausência de um apoio psicológico para os profissionais em educação que sofrem com doenças causadas pelas frustrações sentem na pele no dia a dia em sala de aula, a impotência diante do caos.
Mas, se todos os profissionais da educação estiverem falando a mesma língua, fazendo a diferença, essas questões serão superadas com facilidade e reformulando uma nova perspectiva educacional para o nosso país e para o mundo.
Nessa perspectiva, Cury (2003, p. 127) coloca que “o melhor professor não é o mais eloqüente, mas o que mais instiga e estimula a inteligência”.
Acrescenta ainda, Cury (2003, p. 128) que:
“os professores devem superar o vício de transmitir o conhecimento pronto, como se fosse verdades absolutas. Até porque, a cada dez anos, muitas verdades da ciências se torna folclore e perdem seu valor”.

Daí a necessidade de uma educação voltada à educação emocional, para evitar a formação de cidadãos vítimas do sistema social que valoriza o ter e não o ser, como coloca Cury (2003, p. 65).
Para os autores Ceccon, Oliveira, Oliveira (2002, p. 11), coloca em sua obra, A vida na Escola e a Escola da Vida, que “todo mundo vive se queixando da escola. Pais, professores e alunos reclamam que ela não está funcionando como devia e que as coisas não podem continuar desse jeito”.
Ceccon, Oliveira, Oliveira (2002, p. 14), acrescentam que “os professores por sua vez se sentem sobrecarregados e desvalorizados em seu trabalho”.
Ceccon, Oliveira, Oliveira (2002, p. 15), reflete ainda que “cercados por dificuldades de todos os lados, os professores se sentem cansados e desanimados, e se dão conta que são mal preparados para o trabalho que têm que fazer”.
Quando li a obra desses autores o que mais me chocou foram as suas colocações, duras e sem fugir da realidade nua e crua, como diz o ditado popular.
É isso mesmo o que está acontecendo. E esses profissionais acabam com sérios problemas de saúde, ou até mesmo se tornando um caos social.
Pena que os políticos não entendam que necessário uma mudança sim, mas não na estrutura do ensino de nove ou oito anos, mas nas políticas educacionais, nas secretarias de educação, nas gestões escolares, nos profissionais da educação, nas famílias e principalmente na atenção as necessidades das crianças que suplicam por ajuda, as quais sofrem com os problemas da sociedade e os reflexos dos adultos, e a tempestades de informações soltas e vagas que recebem o tempo todo.
A desinformação é o principal fator da desmotivação dos profissionais na alfabetização. Muda-se a estrutura do ensino sem antes consultar os alicerces do mesmo. Afinal quem está na sala de aula? Quem conhece a realidade do aluno? Quem que aplica estratégias de ensino? Com quem que os alunos ensinam e aprendem o conhecimento?
Claro, que se o professor desenvolve sua prática tendo por referência teórica a idéia de que o conhecimento é construído pelo aluno em situações de interação, ele precisa dispor de estratégias que ajudem a compreender o que cada um de seus alunos já sabe para poder ajustar as propostas, lançar problemas adequados às suas necessidades de aprendizagem em cada momento da escolaridade.
Então, a defasagem da qualidade do ensino não está no ensino de oito anos ou de nove e sim nas condições de trabalho digna, na má remuneração dos profissionais, no faz de conta que ensina e que se aprende onde os profissionais são favorecidos por favores políticos e não estão realmente preocupados com a educação, na falta de fiscalização nas instituições de ensino, na falta de material de uso contínuo nas escolas, e principalmente na ausência de um apoio psicológico para os profissionais em educação que sofrem com doenças causadas pelas frustrações sentem na pele no dia a dia em sala de aula, a impotência diante do caos.
Portanto, o que será mesmo que é necessário mudar? As formas de ensinar e aprender? As estratégias de ensino? O sistema? As políticas educacionais? As escolas? Eu diria que tudo... Tudo mesmo. Começando na base, a família e partindo para as outras esferas sociais.
É de fato que é grande a insatisfação dos pais, alunos, professores diante da educação assistida em nossas escolas. Afirma-se que todo mundo tem uma queixa a fazer da escola, apesar da Lei afirma que a escola é um direito de todos. O que se pode constatar é que a escola precisa ser humanizada voltada para as necessidades verdadeiramente relevantes nos dias atuais.
No atual cenário da educação verifica-se que a escola não é para todos, que os alunos com déficit de aprendizagem são excluídos e a culpa não é de ninguém. A lei fala uma coisa, mais na prática acontece outra. Os pobres são marginalizados e menos oportunizados nas escolas, pois apresentam uma bagagem histórica muito pesada e os profissionais em educação não sabem como trabalhar com isso, já que os próprios estão sofrendo a doença do milênio, a “depressão”.
Uma reflexão voltada para a família e a necessidade de conhecer os problemas das crianças, que cada faz mais cedo apreende serem independentes (independência essa que causa sérios problemas). Problemas esses que estão afetando toda a sociedade, a falta de afetividade familiar e humana pode ser o caos do mundo. Por isso, que defendo uma avaliação mais humanizada, professores bem preparados, condições iguais para todos, onde existe Educação em Direitos Humanos.
O que chama a atenção, nos dias atuais, é a desmotivação dos profissionais da educação. Eles não pensam mais como seres humanos e não se preocupam uns com os outros, com o meio. São alheios aos acontecimentos e dizem que esse problema não é meu. Já fiz muito isso. A desmotivação é uma doença que causa o descompromisso. Para você ver ninguém é imune até que queira ser.
Hoje, os profissionais em educação medem seu potencial com o número de alunos que reprovou em sua disciplina. Daí a necessidade de tornar a avaliação humanizada e dinâmica. Seguindo essa linha de pensamento sobre a responsabilidade, para Wilkinon (1998, p. 26-27), reflete sobre a colocação da ex-ministra da educação dos Estados Unidos, Shirley M. Hufstedler, que afirmava:
“O segredo do nosso sucesso como professor é... aceitar a responsabilidade pelo sucesso ou fracasso de cada aluno, e isso de forma bem pessoal. Os professores que assumem a responsabilidade pelo sucesso ou fracasso de cada um de seus alunos... tem alunos com maior índice de aproveitamento”[2].

Dessa forma, nota-se que essa responsabilidade reflete na questão se torna polêmica pelo fato de que numa sociedade grafocêntrica como a nossa, saber ler e escrever fluentemente se torna uma questão de cidadania. Para piorar a situação, a qualidade da educação brasileira é altamente questionada quando se tem em vista os índices de fracasso escolar nas séries do Ensino Fundamental. Os índices de repetência e a baixa qualidade do ensino da leitura e da escrita colocam em maior evidência os debates acerca da alfabetização e letramento.
Outro autor que reflete sobre essa responsabilidade é Cury (2003, p. 79), coloca que “um bom professor educa seus alunos para uma profissão, um professor fascinante os educa para a vida. Professores fascinante são profissionais revolucionários”[3].
Cury (2003, p. 79), acrescenta ainda que “os mestres fascinantes podem ser desprezados e ameaçados, mas sua força é imbatível”[4]. Diante dessa, reflexão é importante fazer a diferença.
Cury (2007, p. 49), acrescenta que “você pode adiar muitas coisas na sua vida, mas não a decisão de ser autor de sua própria história. É sua responsabilidade escrever seus textos”[5].
Cury (2003, p. 80), coloca em outra obra que deve-se ensinar os alunos “a conquistar experiências originais, através da observação de pequenas mudanças e da correção de grandes rotas”[6].
Então, nota-se que a educação hoje, deve estar voltada para a educação da emoção de forma motivacional e com ênfase aos valores, se não, segundo Cury (2003, p.81), “as sociedades modernas se tornarão um grande hospital psiquiátrico”.
A educação envolve todo um processo de ensinar e aprender. A criança desde, de seu nascimento está formando seus saberes, é com os pais que ela aprende seus primeiros passos.
Para Poli (2006, p. 16), “pais capacitados a educar os filhos sabem dar responsabilidades a eles, sabem até onde podem exigir deles..., e tem autoridade para impor a disciplina necessária”.
Daí, a necessidade de construir uma escola para todos, onde o conhecimento é parte concreta da aprendizagem, onde o aluno pobre ou rico tem as mesmas oportunidades, já que tanto faz sua classe ou padrão social cada um é um baú de sabedoria e capaz de transforma este mundo em um mundo bem melhor, pois os alunos de hoje, serão os pais de amanhã.
A educação é considera como uma engrenagem principal, onde promove a solução para os problemas de baixo para cima, já que a tentativa de resolver de cima para baixo não funciona. Esperar para quê! Vamos fazer... Fazer a diferença! Aceitar nossa responsabilidade é o primeiro passo. Avaliar o quê, se nem sabemos o que se deve ensinar e aprender?
Tudo bem, enquanto nossos superiores se localizam na realidade, que nós profissionais da educação, que estamos em sala de aula, já conhecemos, vamos fazendo o intercâmbio da realidade e a utopia desejada por educadores natos de sangue tipo A.P.E.H. (Apaixonados por uma educação humanizada).
Nessa perspectiva, Cury (2003, p. 127) coloca que “o melhor professor não é o mais eloqüente, mas o que mais instiga e estimula a inteligência”[7].
Portanto, é importante e necessário o reconhecimento da responsabilidade social de cada um, e, de sua capacidade de construir e reconstruir sua própria história, assim, poder-se-á falar em uma escola voltada para o real, onde se constrói o conhecimento a partir de suas vivências, a partir do diagnóstico da realidade e de sua necessidade. Trabalhar em prol de suas necessidades, necessidades essas que podem não estarem relacionadas no conteúdo programático, já que os próprios conhecimentos científicos são reconstruídos, substituídos por nova visão, ou seja, novas teorias.




[1] U.S. News E World Report, 8 de setembro de 1980, p.48.
[2] U.S. News E World Report, 8 de setembro de 1980, p.48.
[3] CURY, A. J. Pais Brilhantes, professores fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.
[4] CURY, A. J. Pais Brilhantes, professores fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante, 2003
[5] CURY, A.J. 12 semanas para mudar sua vida. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007.
[6] CURY, A. J. Pais Brilhantes, professores fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante, 2003

[7] CURY, A. J. Pais Brilhantes, professores fascinantes. Rio de Janeiro: Sextante, 2003

Nenhum comentário: